Viajando para a Itália – Onde comer em Roma, Florença e Milão

Viajando para a Itália – Onde comer em Roma, Florença e Milão

Em dezembro partimos para uma viagem em família à Itália e Portugal. Já estive na Itália há alguns anos e sempre sonhei em voltar por dois motivos: comida e Capela Sistina. Não preciso dizer que a comida italiana é uma das melhores do mundo. Quanto à Capela Sistina, perdi a chance de visitá-la na viagem anterior, pois não me atentei às datas e horários de funcionamento. De antemão, afirmo que deu certo ambas as programações: comida apreciada e visita realizada.

Quem me acompanhou no Instagram viu a quantidade de coisa gostosa que eu comi por lá. Então preparei esse guia gastronômico pra quem for à Itália e quiser comer em lugares incríveis. O que, convenhamos, não é nada difícil. Vão ser vários posts: um sobre as maiores cidades, outro sobre as cidades que visitei na Toscana e outro só sobre a cereja do bolo, ou melhor, sobre o gelato italiano. Vamos começar!

Dificilmente você se sentará num restaurante que sirva comida ruim, pois os italianos levam a refeição muito a sério e a preparam com muito esmero. Os restaurantes costumam ter no cardápio pratos de primo piatto e secondo piatto. Os primeiros pratos geralmente são de massa e molho e são mais baratos. Se você estiver disposto ao segundo prato, aproveite as carnes e proteínas bem caprichadas.

Os garçons não estranham se você pedir só o primeiro prato. Nem se quiser dividir o primeiro ou segundo prato com alguém, apesar de que as porções em alguns restaurantes não são tão grandes, justamente com a finalidade de te fazer apreciar o menu completo. Mas não é todo mundo que consegue comer um prato inteiro de massa ou carne.

Também se habitue a ver o couvert na conta, sempre na faixa dos €2 a €5 por pessoa. Esse valor é pelos pãezinhos, manteigas e torradas que vão à mesa. Não sou fã dos pães italianos, insossos demais para meu paladar. De toda forma, o couvert também serve como simbologia pelo serviço prestado, pela toalha, talheres, garfos e taças que estão a sua disposição. Dessa forma, se você não der nenhum euro a mais no final da conta, os garçons não vão reclamar. Mas se você for bem atendido e o serviço for impecável, convém dar um pouco mais.

Comunicar-se é fácil. Muitos garçons falam inglês e os restaurantes disponibilizam menus em outras línguas. Alguns arriscam o portunhol ou o espanhol. Agora, anotem as dicas!

Roma

Baccano

O Baccano fica bem próximo à Fontana de Trevi e foi uma descoberta: demos de cara com o restaurante após sairmos da multidão da fonte (que foi restaurada e está belíssima). Vimos no Foursquare que ele é muito bem recomendado. O ambiente é grande e moderno e, apesar de estar lotado, fomos rapidamente encaminhados à uma mesa. O atendimento é eficiente e cortês. A carta de vinhos é ampla e bastante justa. Além disso, há uma boa variedade de drinks. Lá foi onde tomei o melhor drink Aperol Spritz da vida (€8)! De entrada, pedimos a deliciosa muçarela de búfala com tomates e manjericão (€14). Inesquecível! Para o jantar, pedi o Carbonara, que estava muito delicioso (€14)! Também pedimos uma lasanha ao ragu que estava gostosa, mas um pouco seca (€15). Pra quem gosta de trufa, o prato Gricia Tuffoli Mancini é uma boa escolha. O cardápio ainda conta com opções de frutos do mar crus (bar à huitres) e alguns pratos autorais, pratos de carnes e peixes, saladas e até hambúrgueres. O restaurante também serve café da manhã e brunch.

20151226_19175720151226_19220020151226_20125520151226_200910

http://www.baccanoroma.com/en/

La Zanzara

Após uma exaustiva visita a Capela Sistina (era dia de visita gratuita e esperamos quase duas horas na fila para entrar no museu e na capela), saímos cansados e com fome em busca de um restaurante para almoçarmos. A poucos metros da saída do Museu do Vaticano, encontramos o La Zanzara, um restaurante bacaninha, com decoração industrial, atendimento prestativo e menu interessante. Para beber, pedi um suco ótimo de laranja, abacaxi e limão (€4). De entrada, pedimos a salada de polvo (€14) e o tempurá de camarão com guacamole (€12), ambos muito bons! Escolhi o prato Amatriciana Spaguetti Mancini, com bacon e tomates (€12), que estava excelente. O Carbonara também estava bom, sem erro (€12). Mas o prato que me marcou foi o Parpadelle ao ragu de cordeiro pedido pelo Pedro, que estava maravilhoso (€14)! O restaurante também tem carnes preparadas no forno a lenha, saladas, drinks, cervejas e chopes. Para quem está próximo ao Vaticano e quiser comer boa comida italiana, com preços adequados, recomendo demais almoçar aqui.

20151227_132004?

20151227_13201020151227_132127

http://www.lazanzararoma.com

Casa Copelle

Não gosto muito de dicas dadas por concierge de hotel. Usualmente, eles indicam lugares caros e com menus estranhos. Esse aqui foi mais um exemplo. O restaurante é muito bonito, sofisticado, romântico e adequado para ocasiões especiais. Mas para meros turistas cansados demais para se arrumar, famintos o suficiente para comer um prato repleto de massa e temerosos demais pra pensar qual prato é o menos arriscado, o Casa Copelle talvez não seja o lugar ideal. Entretanto, foi o atendimento mais cortês e educado que vi em toda a Itália e, de fato, o restaurante estava bastante lotado, inclusive com muitos italianos. Além dos pãezinhos, pedimos o presunto de Parma e muçarela de búfala, mas fomos avisados que a muçarela estava em falta e acabou sendo substituída pelo parmesão (€13). Gostei bastante. Para jantar, pedi o Carbonara (de novo!) que estava mediano, com pouco molho, bacon em excesso e sem sabor marcante (€12). Também pedimos uma carne alta com salada (€24). A carta de vinho tem preços acima da média dos demais restaurantes que fomos, mas é de qualidade. Para uma ocasião romântica ou um evento especial, recomendo o lugar. Caso contrário, talvez haja outros mais apropriados para um jantar casual e descontraído.

casacopellecasacopelle20151227_205503(1)casacopelle20151227_212622casacopelle

http://www.casacoppelle.com

Florença

Trattoria Antico Fattore

Após um passeio na Piazza della Signoria, paramos nesse restaurante para almoçar e também para nos preparar para enorme fila da Galleria degli Uffizi (mas acabamos não entrando, pois a fila estava com mais de 3 horas de espera. Para evitar isso, compre on-line e com antecedência). É uma pequena trattoria, bem típica, com ambiente tradicional e atendimento simpático. Ao entrarmos, ganhamos uma taça de prosecco e esperamos um pouco pela mesa. De entrada, escolhemos o Gran Piatto del Fattore, um grande prato de torradas, patês, presunto, queijos e azeitonas, que serve bem umas 4 pessoas (€22). Destaque para o patê de fígado com torradinhas! O garçom também sugeriu o Crostini Toscano, um queijo empanado que estava muito bom (€7). Como eu estava com um mal estar (penso eu que foi o excesso de comida no dia anterior), pedi um prato mais leve, típico da culinária toscana: pasta e fagioli. Trata-se de uma sopa bem leve, com feijão e pedacinhos de macarrão. Ao ler a descrição do prato, ninguém pensa que será um prato maravilhoso, mas foi uma das melhores comidas que comi na viagem. A sopa estava leve no sabor, encorpada na textura, o feijão e os pedaços de macarrão estavam ótimos e o tempero de azeite com pimenta por cima fez toda a diferença. Custou €9. Também pediram o Crespelle Del Fattore alla fiorentina, uma espécie de massa ao forno recheada com ricota e espinafre. Muito saborosa (€12)! Não foi o caso, mas você também pode pedir um dos ótimos pratos de carnes típicas, como a tripa, o osso buco e a bisteca fiorentina (que é servida no mínimo com 1,5kg, serve 3 pessoas e custa cerca de €70). Quem estiver em Florença, anote esse restaurante e vá!

anticofattoreanticofattoreanticofattoreanticofattoreanticofattoreanticofattore

www.anticofattore.it

L’Osteria Di Giovanni

Osteria, na Itália, quer dizer restaurante familiar. Mesmo que nem sempre se leve isso ao pé da letra (fui em algumas que de familiar nada tinham), a intenção é mostrar a história do lugar e também focar em refeições simples, mas deliciosas. A L’Osteria Di Giovanni é bastante conceituada em Florença e resolvemos ver a fama do local. O ambiente é bem agradável, com aquele clima de restaurante italiano verdadeiro. Como é de praxe, recebemos a taça de prosecco e aguardamos uma mesa. O atendimento é ótimo, bem eficiente. Não pedimos nada de entrada, porque a fome era grande, então fomos direto ao jantar. Pedi a famosa bisteca fiorentina que, até então, não tinha comido. Trata-se de um T-Bone, geralmente com mais de 1kg, mal passado ou ao ponto. Serve bem 3 pessoas (cerca de 1,2kg) e custa cerca de €70. É sempre um dos pratos mais caros nos restaurantes toscanos. Pedimos também o linguine com frutos do mar. O camarão era gigante e o prato estava bom. Também escolhemos a massa com linguiças e couve e talvez tenha sido o melhor prato da mesa, pois era simples e bem gostoso. Ao final, pedimos o delicioso Vin Santo, um vinho de sobremesa típico da região que é servido com cantucci, umas torradas bem duras que podem ser mergulhadas no vinho. Achei o restaurante caro demais para o que se propõe, não sei vale tanto a pena. Mas certamente ele é um dos restaurantes mais bem comentados da cidade. Talvez compense ir pra tirar suas próprias conclusões.

giovani20151229_22291820151229_22271920151229_230844

www.osteriadigiovanni.com

Osteria Pastella

Descobrimos esse restaurante através do santo Foursquare, que o indicava com ótimos comentários. Além disso, era bem central e próximo do nosso hotel. O ambiente é bem bacana e ainda tem uma (bonita) moça italiana preparando as massas bem na entrada do restaurante, chamando atenção de quem passa. O cardápio não é tão tradicional assim: há pratos bem interessantes, releituras dos clássicos italianos e boas doses de criatividade. Já adianto o resultado: de tão bom, fomos duas vezes! De entrada, pedimos o tão querido Caprese (€9,50). A sopinha de legumes pra esquentar é uma boa pedida (€8,50). Para jantar, fui no Ravioloni de salmão (€15), uma massa grande recheada de salmão com um molho levemente adocicado (a base de vinho, Campari, limão siciliano, pimentas e outros ingredientes). Estava delicioso. Um pouco enjoativo ao final, mas ainda assim gostei bastante. Não despreze o grissini que vem “de enfeite” no prato, ele é ótimo. Também pedimos o Tagliolini com frutos do mar, repleto de crustáceos, camarões e outras delícias do mar (€14,50). Foi um dos preferidos da mesa. O Parpadele al Cinghiale é uma massa com ragu de carne de javali que estava delicioso (€12,50). Já o Parpadele ao Tartufo (com trufas negras) foi o que menos agradou, pois o sabor estava estranho e muito forte (€20). De sobremesa, pedimos o Chocosuffle, uma espécie de petit gateau muito bom, e também um digno Tiramissu e o ótimo Semifreddo. Cada uma custou €7. O atendimento é excelente, muito prestativo e simpático. Os proprietários estão sempre por lá.

osteria pastellaosteria pastellaosteria pastella20151230_20445020151230_21380920151230_213751 20151230_213739

www.osteriapastella.it

Trattoria 13 Gobbi

Essa trattoria é bastante turística, sempre lotada, com pratos fartos de comida e cardápio bem típico da Toscana. Faz parte de uma grande rede de restaurantes. A comida é ótima e não se intimide pela parte turística da coisa. Pedimos a muçarela de búfala com tomates (€13) para comer de entrada. Boa como sempre. Para almoçar, o Rigatoni 13 Gobbi é excelente e serve duas pessoas. É uma massa com bastante queijo de búfala derretido e um molhinho rosê de tomates (€11). O Tortelini com carne e queijo também é ótimo (€10)! A bisteca fiorentina também sai bastante, é muito boa e custa €58 pra duas pessoas. Destaque também para o osso buco, que é divino (€18). A sobremesa creme caramel é fraquinha (€5). No mais, é um ótimo restaurante, de excelente custo benefício!

13gobbi20151228_23113413gobbi13gobbi13gobbi13gobbi13gobbi

www.casatrattoria.com/trattoria-13gobbi

Buca Mario

Em 2009, estivemos nesse restaurante e decidimos voltar lá pra matar a saudades. Ele é praticamente uma instituição de Florença. Mundialmente conhecido, está sempre lotado e com fila de espera. Nós saímos do Brasil com reserva para a noite de ano novo. No dia, mesmo quem já tinha feito reserva teve que encarar fila pra se acomodar (mas, a essa altura, já estávamos acostumados com filas e mais filas). A recepção foi muito calorosa e atenciosa. Buca significa um restaurante que se localiza num nível baixo de um edifício, como se fosse um porão, sem janelas, com teto baixo e ambientação aconchegante. O lugar é um labirinto, aparentemente pequeno, mas enorme por dentro, então não ficamos desconfortáveis com a lotação. Os garçons eram muito agilizados e não se intimidaram com a quantidade de pessoas chegando na mesma hora. Logo anotaram nosso pedido completo e providenciaram tudo rapidamente. De entrada, pedimos o carpaccio (€16). Para jantar, pedi o Nhoque ao molho de tomate (€14). Simples e maravilhoso. O risoto ao funghi porcini também estava bom, embora não muito surpreendente (€16). Pra quem aprecia trufas, o taglierini al tartufo é uma excelente pedida (€30). Agora vamos falar do melhor prato da noite: a lasanha (€15). Não só da noite, mas da Itália toda. É mesmo deliciosa, com um molho divino! Na saída, antes de irmos pra ponte ver os fogos da virada, a proprietária se despediu e nos entregou aventais de brindes! Bacana, né? Pra quem não quer errar na escolha, o Buca Mario é destino certeiro. E pra quem quer apreciar comida caprichada, aqui é o lugar!

bucamario bucamario bucamariobucamario

www.bucamario.it

Kome Sushi

Vou confessar que apesar de amar a comida italiana, chegou a um ponto que eu não aguentava mais comer macarrão tantos dias seguidos. Pra desenjoar um pouco, resolvemos ir a um restaurante de sushi! Procuramos um lugar que fosse próximo ao hotel e achamos o Kome Sushi. O restaurante é estilo sushi kaiten, ou seja, na esteira rolante e o ambiente é bem legal. Sentamos na bancada e uma moça nos explicou como funciona: você pega o pratinho que quiser e ele é cobrado de acordo com a cor, já que cada um tem um preço diferente na tabela. Bastava pegar o prato da esteira, consumir e depois empilhar na mesa. Cada pratinho vinha com 2 a 3 sushis e variavam entre €2,50 a €6. Hossomakis de legumes, missoshiro e sunomono eram os mais baratos e os sashimis, gunkans, hot rolls e tamakis eram os mais caros. Todos os que comemos eram absolutamente deliciosos. A gente teve que se controlar pra não sair pegando todos os pratos e pagar um fortuna ao final! Observar os sushimen preparando também foi bastante interessante. Havia alguns garçons brasileiros, incluindo um do sul que vivia há 20 anos na Itália, mas sempre vinha ao Brasil pra curtir o carnaval! Não comemos muito e a conta deu cerca de €50, incluindo bebidas. Ah, por falar em bebida, o chá verde de lá é maravilhoso! Florença tem bons restaurantes de outros estilos além de massa e esse é um deles!

komesushikomesushi komesushi 20160101_203933

www.komefirenze.it

Milão

Terrazza Aperol

Já tínhamos ouvido falar desse badalado bar na Piazza del Duomo que servia drinks e coquetéis, sendo especialista em Aperol. Fomos lá conhecer. O bar fica no último andar da praça de alimentação da Galleria Vittorio Emanuele II (btw, um dos shoppings mais antigos do mundo, datado de 1877), com bela vista pra Duomo. Imagino o quanto seu terraço deve ser disputado no verão, porque a vista realmente é demais! Chegamos lá umas 16h e a atendente me disse que só serviam bebidas naquele horário e que não havia cardápio de comida. Estávamos morrendo de fome, mas resolvemos ficar mesmo assim. O cardápio de drinks é completíssimo. E caro. Pedi o Aperol Spritz (que é um drink com Aperol, prosecco e soda) e custou €12, sendo um dos mais baratos. Após um drink apenas, fomos embora. Não havia muito o que fazer no bar naquele horário a não ser beber a alto custo. O atendimento foi bem antipático. No verão, quem sabe seja mais interessante.

terazzaaperol

La Locanda Del Gatto Rosso

Milão pode te deixar na mão no quesito restaurante. Muitos fecham nas semanas das festas de fim ano. Apesar de termos estado lá depois do feriado, muitos ainda estavam fechados, nos deixando com pouquíssimas opções. Na Galleria, todos ficam abertos, aproveitando o intenso movimento de turistas que passeiam na área. O La Locanda Del Gatto Rosso era um deles e fomos atraídos pelo garçom que nos convidada a conhecer o cardápio (sim, muitos ficam na porta tentando atrair os turistas) e também pelo cansaço de procurar outro. Sabíamos que não poderíamos esperar muito da comida nem do preço, por ser nitidamente um restaurante turistão. Mas a fome e o cansaço falaram mais alto e ali ficamos. O ambiente era lindo, o atendimento foi muito simpático e prestativo e o cardápio era bem variado. Pedimos boas bruschettas de entrada (€10) e Spaguetti alla carbonara para jantar (€15). As massas mais simples e tradicionais custam na faixa dos €15. As pizzas custam de €8 a €20, mas são grandes e servem 2 ou 3 pessoas, a depender da fome. Os pratos com frutos do mar ou trufas custam acima dos €20. Os vinhos tem bons preços e grande diversidade. Se estiver na área da Duomo, é uma boa ideia.

20160103_191137

www.lalocandadelgattorosso.it

Spontini

Essa pizzaria é super famosa em Milão e tem até unidades mundo afora. Na verdade, ela é uma rede de fast food e não tem mesas, só balcões. Serve somente 3 sabores de pizza: mediterrânea (€3), margherita (€3,50) e prosciutto (€4). Você pode pedir fatias ou a pizza inteira. Vive abarrotada de gente e os próprios milaneses adoram. Nos dias mais cheios, a fila chega a dobrar, mas o atendimento é muito rápido. Pedi uma fatia de pizza sabor mediterrânea, que não leva queijo e sim anchovas e molho de tomate. Minha irmã pediu a prosciutto, com queijo, presunto e molho de tomate. Achei a mediterrânea muito salgada e perdeu a graça com a ausência do queijo. Já a prosciutto é excelente! Vale conhecer!

spontini spontini

www.pizzeriaspontini.it

JuiceBar

Eu estava há dias sem comer frutas e sucos e estava me sentindo meio mal com tanto carboidrato na veia! Mas de repente, saindo do metrô, dou de cara com a Juice Bar, uma rede de lanchonetes de comida saudável. Peguei uma salada de frutas (chamada de macedônia na Itália) e pedi um suco natural de laranja, grapefruit e limão (€3,50). Acabei pedindo também o Smoothie de Açaí, embora algo me dizia que não ia ter açaí de verdade naquela vitamina (€5,90). Mas estava tudo ótimo! O Pedro comeu uma porção pequena de sushi (acho que vinha umas 8 unidades) que estava no refrigerador e custou €10. Fiquei com vontade de comer tudo: saladas, smoothies, iogurtes, milkshakes, nozes e castanhas, cafés, chás. Lá é muito bacana e cheio de opções! Além disso, também é cafeteria.

juicebar

www.juicebar.it

Corsia del Giardino

Mais uma vez saímos na saga de achar um restaurante aberto e nos deparamos com esse lugar meio escondido num pátio de uma galeria de lojas. Cafeteria de um lado e restaurante de outro, possui menu enxuto e opções de pratos executivos. Para almoçar, pedi o Goulash com purê de batatas, que é uma carne cozida ao molho (€12,50). Estava muito bom! O arroz com frango e curry é meio sem graça, porque vem pouquíssimo frango. Na mesa, também pediram um Cheesburger, que acompanhava batatas fritas e estava ok (€15,50). A maioria dos pratos custa de €11 a €15, o que é uma raridade em Milão, uma cidade cara por natureza. O atendimento é ótimo e a comida é boa.

20160104_14381220160104_141559 20160104_140459

www.corsiadelgiardino.it

Emporio Armani Caffè

Todo mundo sabe que Milão é polo mundial da moda e muitas grifes estão presentes por lá. E algumas delas possuem um café, a paixão nacional do italiano. O da Emporio Armani é bastante conhecido e bem badalado. Paramos lá pra fazer um lanche numa tarde e até que o lugar estava tranquilo. Pedi um chocolate quente e uma torta de chocolate que estavam divinos. O ambiente é legal – meio bar e meio café – e fomos bem atendidos. Os preços são um pouco caros.

Paper Moon

Fomos duas vezes nesse restaurante, tanto pela qualidade da comida e do atendimento quanto por ser uma opção de restaurante que estava sempre aberto pro almoço e jantar. É sempre lotado, então convém fazer reserva. É muito frequentado por turistas, mas também é possível ver muitos italianos, executivos e moradores da área. Os pãezinhos do couvert são ótimos e o carpaccio de entrada também é uma boa pedida (€16). O polvo com batatas também é maravilhoso (€14). Aqui, comi um osso buco inesquecível (€24). A pasta e fagioli também é gostosa, mas não tão leve, pois leva bastante bacon (€9). As massas clássicas como o parpadelle e o spaghetti são excelentes e dizem que aqui tem um steak tartare ótimo (pra quem gosta, que não é meu caso). De sobremesa, o semifreddo é bom (€9). Indico fortemente esse restaurante pra quem estiver na cidade.

papermoon 20160104_213235papermoon

www.papermoonmilano.com

Galleria Ristorante Pizzeria

Na nossa primeira visita à Italia, comemos nesse restaurante e resolvemos revisitá-lo. Até porque fica na Galleria e era certeza estar funcionando. Lá, recebemos o atendimento mais gentil, educado e cordial em Milão. Adoramos a experiência, ainda que a comida não tenha sido incrível. O cardápio é super variado, com opções para todos os gostos. Pedi um dos pratos do dia, o filé com molho de vinho do porto e purê de abóboras, que matou a vontade de carne (€24). O osso buco com risoto a milanesa também estava ótimo (€26). Há ainda pratos de peixe (ainda não tinha visto nos cardápios dos restaurantes), saladas e outros pratos de massa. O valor não é tão barato, mas leve em consideração que aqui é zona turística.

20160105_213432

www.ristorantegalleria.it/en

E aí, deu pra aproveitar as dicas? Se liga que nas próximas semanas postarei sobre onde comer em algumas pequenas cidades da toscana e sobre as famosas gelaterias italianas! 😉

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedintumblrmail

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *